Dispositivo portátil para medir a ardência de pimentas

ACS Appl. Nano Mater. 2020, 3, 10, 10094–10104

Já imaginou testar a ardência de uma pimenta usando seu celular? Logo isso será possível! Um grupo de pesquisadores da Prince of Songkla University na Tailândia desenvolveu um dispositivo portátil em forma de pimenta que pode ser conectado em um smartphone e mede instantaneamente a ardência de uma amostra de pimenta.

Continuar lendo

Prêmio Nobel de Química 2020

Emmanuelle Charpentier and Jennifer A. Doudna. Créditos: Vilnius University; Laura Morton Photography

Indo contra as especulações de vários membros da comunidade científica (alô, American Chemical Society), a Academia Real das Ciências da Suécia anunciou na manhã do dia 07 de outubro as nomeadas para o Prêmio Nobel de Química de 2020. Sim, meu caros seguidores! Esse ano tivemos não uma, mas duas mulheres recebendo a maior honra que um cientista pode alcançar.

Emmanuelle Charpentier e Jenifer A. Doudna foram laureadas pelo desenvolvimento do método de engenharia genética chamado CRISPR/Cas9. A tecnologia descoberta e desenvolvida pelas cientistas permite alterar o código genético de animais, vegetais e microorganismos com altíssima precisão e tem contribuído com o desenvolvimento de diversas áreas, incluindo a agricultura, pecuária e, inclusive, terapias para tratamentos de cânceres.

Continuar lendo

Moda e segurança no laboratório

ArmorSui

Calça Rosalind Franklin e vestido Marrie Currie. Fonte: ArmorSui

Quem trabalha com ciência sabe que o jaleco é o item essencial de segurança num laboratório. É ele quem protege o corpo e a roupa em caso de acidentes produtos químicos, diminuindo o risco e os possíveis danos. Mas mesmo protegendo com eficiência, o material dos jalecos geralmente é permeável e a roupa e o corpo podem sofrer caso os contaminantes passem pela barreira do tecido.

Continuar lendo

Cosméticos de 3500 anos encontrados no Louvre

peças louvre

Fonte: © CEA/Laurence Godart l.godart@free.fr

Cerussite-173897

Cerusita

Uma equipe de pesquisadores analisou diversas peças do museu do Louvre, em Paris, e encontrou resíduos de cosméticos Gregos e Egípcios de aproximadamente 3500 anos!
Nos cosméticos foram encontrados carbonatos de chumbo, componentes comuns de tintas e pigmentos produzidos pelas civilizações antigas. Para produzir os pigmentos, as civilizações egípcias antigas extraíam um mineral chamado cerusita, composto de carbonato de chumbo. Continuar lendo